Eugénio Perregil

  • DATE 02/03/2017

O poeta popular madeirense João Gomes de Sousa, conhecido por Feiticeiro da Calheta, era pobre e analfabeto, mas foi o autor do Bailinho da Madeira. 

João Gomes de Sousa tocou e cantou os célebres versos no decurso da primeira Festa da Vindima, em 1938, integrado no Rancho Folclórico do Arco da Calheta, que ganhou o primeiro prémio. Porém, em 1949, Max, então o mais famoso dos artistas madeirenses, apropriou-se da letra e gravou a canção em Lisboa sem conhecimento do feiticeiro.

Nasceu na Calheta em 1895 e morreu em 1974. Foi sempre pobre e analfabeto, mas não era ignorante nem desprezado pela sociedade, antes pelo contrário, tornou-se um dos nomes maiores da poesia de cordel e da música popular madeirense e a presença nos arraiais juntava multidões.

Eugénio Perregil, investigador e coordenador do Livro "Feiticeiro da Calheta" foi entrevistado por João Luís Mendonça, no Programa "Aplauso".

Fonte: Agência Lusa

Última alteração em terça-feira, 15 agosto 2017 22:34
Mais nesta categoria: « Banda 4 Joana Cota »

Visitantes

7628046
Hoje2411

O Cantinho da Madeira nasceu no ano 2006 com o objetivo de promover a Região Autónoma da Madeira, em especial junto da comunidade portuguesa no mundo.

Descarregue as nossas APP´s
para iOS e Android

Top
Aviso! Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a navegação dos utilizadores. More details…