Retratos da Madeira

  • 9A.jpg
  • 18A.jpg
  • 35A.jpg
  • 13A.jpg
  • 16A.jpg
  • 19A.jpg
  • 3A.jpg
  • 4A.jpg
  • 5A.jpg
  • 33A.jpg
  • 29A.jpg
  • 37A.jpg
  • 7A.jpg
  • 1A.jpg
  • 14A.jpg
  • 6A.jpg
  • 32A.jpg
  • 30A.jpg
  • 36A.jpg
  • 22A.jpg
  • 8A.jpg
  • 15A.jpg
  • 23A.jpg
  • 17A.jpg
  • 31A.jpg
  • 10A.jpg
  • 34A.jpg
  • 12A.jpg
  • 11A.jpg
  • 24A.jpg
  • 28A.jpg
  • 50.jpg
  • 21A.jpg
  • 27A.jpg
  • 26A.jpg
  • 20A.jpg
  • 25A.jpg

Cantinho da Madeira

Email: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Ricardo Cidade

Ricardo Cidade é cantor português, natural da Ribeira Quente, na Ilha de São Miguel, Região Autónoma dos Açores.

Ricardo é conhecido como o "Roberto Carlos do Canadá". Na década de 80 partiu para o Canadá. O artista acaba de lançar o primeiro álbum de originais: "Lembranças". O CD retrata um pouco da vida do cantor açoriano.

Em entrevista ao Programa "Aplauso" explicou o gosto e admiração pelo artista Roberto Carlos.

by Ricardo Cidade

Véspera de Reis

A chegada do ano novo indicia também o fim das festividades de Natal.

Existem, no entanto, duas manifestações ainda associadas à época. A primeira é na noite de 5 para 6 de Janeiro. É o cantar dos Reis.

Comemorando a chegada dos Reis Magos a Belém, formam-se grupos que vão de casa em casa, tocando e cantando. Em muitos casos, os forasteiros são convidados a entrar e a “tomar um copo”.

A tradição chegou a entrar em desuso, mas nos últimos tempos tem sido reavivada um pouco por toda a Região Autónoma.

Na Madeira, em geral a letra é esta:

Eu venho cantar os Reis,

Pela folhinha da vinha

Senhor, abra-me a porta

Que eu quero ver a lapinha

Para muitos a “Festa” terminou a 6 de Janeiro, mas em alguns lares madeirenses a lapinha e o pinheiro só são desmontados a 15 de Janeiro. É o dia de Santo Amaro, também conhecido, pelo povo, como o dia de “varrer os armários”. Fazem-se as últimas visitas da “Festa” para acabar com o que ainda restou do Natal.

A entrevista desta semana é movida por um sentimento de esperança apesar dos números não serem nada animadores. Haja governantes à altura do desafio porque o que parece faltar sobretudo é acção política pura e dura.

"Nós temos uma epidemia da doença mental num contexto de crise económica (...) Nós estamos na presença daquele que é o estigma estrutural que é aquele que diz respeito a alocação de recursos e que obviamente terá associado a reivindicação pelos nossos direitos.

Se nós temos um cenário tão dramático, se os recursos e respostas não existem, então nós estamos perante um exemplo de estigma a tomar a dianteira da razão e do respeito pelos direitos humanos". Com Filipa Palha que trabalha há décadas na saúde mental e fundou há dez anos a Associação ENCONTRAR+SE, sedeada no Porto.

by Filipa Palha

A Lapinha

A “escadinha” e a “rochinha” são os tipos de presépio (também conhecidos por Lapinhas) mais comuns na Madeira.

Na “escadinha” o Menino Jesus aparece no cimo das escadas, numa espécie de altar.  Nos patamares inferiores encontram-se a verdura e alguns frutos e as “searas” de trigo que ajudam a ornamentar a “lapinha” juntamente com o “alegra-campo” (ramos de arbusto), azevinho e “cabrinhas” (fetos).

A “rochinha” é inspirada nas montanhas da Madeira. O Nascimento é representado por uma gruta. No “centro da devoção” são colocadas as figuras centrais do presépio: o Menino (descansa na Manjedoura) ladeado por José e Maria.

À volta existem lombos, vales, quedas de água e outros efeitos criados com papel pintado de cor escura para imitar a rocha madeirense. A construção deste tipo de presépio pode também implicar o uso de madeiras, tecidos, troncos de árvore e outros materiais, consoante a imaginação de cada um. Pelos caminhos ingremes chegam os pastores e os três Reis Magos.

A restante ornamentação é deixada à criatividade de cada família.

No mês de dezembro é comum ouvir-se a expressão: “Vamos visitar a Lapinha” e são muitos os presépios montados um pouco por toda a Ilha. Alguns, promovidos pelas Paróquias ou outras instituições, estão abertos ao público e recebem neste período centenas de visitantes.

Missa do Parto em direto

As Missas do Parto são uma das tradições do Natal Madeirense. Nesse sentido, a Rádio Cantinho da Madeira irá transmitir a Missa do Parto a partir da Paróquia da Visitação, em Santo António.

O Grupo de Folcore do Rochão, na Camacha, foi fundado a 17 de dezembro de 1986. Ao longo de 30 anos de atividade o Grupo tem-se dedicado à preservação do Património Cultural da Região Autónoma da Madeira.

Destaque para as representações a nível Nacional (Portugal Continental e Ilhas), Internacional (Brasil, Itália, Alemanha, França, Inglaterra e Espanha).

Alexandre Rodrigues. um dos fundadores da coletividade, e António Correia (elemento do grupo) foram entrevistados por João Luís Mendonça no Programa "Aplauso".

by Alexandre Rodrigues

Page 1 of 87

Cantinho da Madeira

O Cantinho da Madeira é um projeto direcionado para a comunidade lusófona criado em julho de 2006. O portal, sem fins lucrativos, contempla uma rádio online com programas regulares produzidos por portugueses na diáspora.
Somos Marca Nacional com registo na Sociedade Portuguesa de Autores.

Nossos visitantes

6267502
HojeHoje24
OntemOntem2286
Aviso! Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a navegação dos utilizadores. Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree