Retratos da Madeira

  • 28A.jpg
  • 50.jpg
  • 12A.jpg
  • 15A.jpg
  • 30A.jpg
  • 37A.jpg
  • 13A.jpg
  • 16A.jpg
  • 24A.jpg
  • 32A.jpg
  • 1A.jpg
  • 14A.jpg
  • 25A.jpg
  • 7A.jpg
  • 10A.jpg
  • 33A.jpg
  • 27A.jpg
  • 29A.jpg
  • 19A.jpg
  • 36A.jpg
  • 5A.jpg
  • 26A.jpg
  • 34A.jpg
  • 18A.jpg
  • 6A.jpg
  • 21A.jpg
  • 35A.jpg
  • 20A.jpg
  • 31A.jpg
  • 17A.jpg
  • 9A.jpg
  • 8A.jpg
  • 11A.jpg
  • 3A.jpg
  • 23A.jpg
  • 22A.jpg
  • 4A.jpg

Véspera de Reis

A chegada do ano novo indicia também o fim das festividades de Natal.

Existem, no entanto, duas manifestações ainda associadas à época. A primeira é na noite de 5 para 6 de Janeiro. É o cantar dos Reis.

Comemorando a chegada dos Reis Magos a Belém, formam-se grupos que vão de casa em casa, tocando e cantando. Em muitos casos, os forasteiros são convidados a entrar e a “tomar um copo”.

A tradição chegou a entrar em desuso, mas nos últimos tempos tem sido reavivada um pouco por toda a Região Autónoma.

Na Madeira, em geral a letra é esta:

Eu venho cantar os Reis,

Pela folhinha da vinha

Senhor, abra-me a porta

Que eu quero ver a lapinha

Para muitos a “Festa” terminou a 6 de Janeiro, mas em alguns lares madeirenses a lapinha e o pinheiro só são desmontados a 15 de Janeiro. É o dia de Santo Amaro, também conhecido, pelo povo, como o dia de “varrer os armários”. Fazem-se as últimas visitas da “Festa” para acabar com o que ainda restou do Natal.

Missa do Parto em direto

As Missas do Parto são uma das tradições do Natal Madeirense. Nesse sentido, a Rádio Cantinho da Madeira irá transmitir a Missa do Parto a partir da Paróquia da Visitação, em Santo António.

Missas do Parto

Apesar de serem uma tradição secular, as “Missas do Parto” continuam a ser uma das maiores manifestações da religiosidade popular. É uma tradição particular da Ilha que, regra geral, começa de madrugada e termina por volta do nascer do sol. Têm início a 15 ou 16 de Dezembro (varia de paróquia para paróquia) e terminam a 24 de Dezembro. Nem o frio nem a chuva das manhãs de Inverno demovem os fiéis das novenas que se destinam a invocar os nove meses de gravidez da Virgem Maria.

Era também tradição as pessoas se reunirem em vários grupos (de acordo com os sítios) e, a caminho da igreja, iam cantando e tocando às campainhas para, desta forma, aumentar a romaria.

As Missas do Parto continuam a registar forte participação de fiéis, quer no seu ritual religioso, com entoações de cânticos antigos, quer na parte lúdica, com convívios nos adros das igrejas, onde não faltam os comes-e-bebes e a música de cariz popular.

Em todas as paróquias da Madeira e Porto Santo, as Missas do Parto terminam com um cântico que perdura de geração em geração, cujo refrão aqui recordamos:

Virgem do Parto, oh Maria,

Senhora da Conceição,

Dai-nos as festas felizes,

A paz e a salvação.

Função do Porco

A função do porco é um dos primeiros momentos do Natal Madeirense. Acontece, geralmente, a partir do dia 8 de Dezembro (Dia da Imaculada Conceição).

No meio rural, o suíno é criado, durante alguns meses, num chiqueiro junto à habitação. O animal alimenta-se de restos de comida diária, a chamada “boragem” e de uma mistura de farelo (rolão).

A tradição surge associada à subsistência das famílias e não a nenhum ritual. Em tempos, a carne obtida nesta altura era a única que a família consumia ao longo do ano. Actualmente, a matança do porco serve sobretudo para reunir amigos e familiares.  

Todas as partes do porco são aproveitadas.  

O sangue cozido é levado à frigideira e muitas vezes consumido logo após a matança.  
Outras partes do animal são preparadas para a refeição do Dia de Natal (em particular a tradicional carne de vinho-e-alhos.)

Fazem-se também enchidos ou salga-se alguma carne para outras épocas do ano (recorde-se que a salga era um dos poucos métodos de conservação dos alimentos).

A Matança do Porco termina já pela noite dentro com cantares típicos da quadra.

Tangerinas do Natal

A tangerina é um dos frutos carateristicos da época natalícia. O aroma e o sabor distinguem a tangerina regional das importadas. Só chegam ao mercado no final de novembro e muitas vezes apenas em dezembro. Regra geral são vendidas com as folhas junto ao fruto. 

É comum colocar-se tangerinas na tradicional "lapinha em escadinha" juntamente com outros frutos da época. 

A tangerina é também apreciada sob a forma de licor caseiro. A preparação é simples. As cascas de cor amarelo-esverdeadas são colocadas em infusão no álcool ou aguardente durante uns dias. Passado esse período a infusão (depois de coada) é adicionada a uma calda de água e açúcar (em proporções iguais), previamente preparada. 

Este fruto típico do Natal Madeirense é também utilizado na produção da tradicional Poncha.

As tangerinas regionais podem ser compradas nas bancas de venda ambulante espalhadas pela cidade, com preços a variar entre os 3 e os 5€ por cada quilo.

A tangerineira é cultivada em toda a região embora com maior incidência nos concelhos do Funchal, Santa Cruz, Câmara de Lobos e Ribeira Brava.

Emissão Natal

A Rádio Cantinho da Madeira vai estar esta sexta-feira, dia 18 de dezembro, em direto do Restaurante Panorâmico Oceano, em São Vicente.

Page 1 of 2

Cantinho da Madeira

O Cantinho da Madeira é um projeto direcionado para a comunidade lusófona criado em julho de 2006. O portal, sem fins lucrativos, contempla uma rádio online com programas regulares produzidos por portugueses na diáspora.
Somos Marca Nacional com registo na Sociedade Portuguesa de Autores.

Nossos visitantes

6261401
HojeHoje1427
OntemOntem2507
Aviso! Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a navegação dos utilizadores. Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree