Retratos da Madeira

  • 22A.jpg
  • 23A.jpg
  • 13A.jpg
  • 18A.jpg
  • 19A.jpg
  • 34A.jpg
  • 6A.jpg
  • 31A.jpg
  • 29A.jpg
  • 1A.jpg
  • 15A.jpg
  • 21A.jpg
  • 30A.jpg
  • 35A.jpg
  • 16A.jpg
  • 5A.jpg
  • 17A.jpg
  • 25A.jpg
  • 20A.jpg
  • 9A.jpg
  • 26A.jpg
  • 8A.jpg
  • 14A.jpg
  • 11A.jpg
  • 10A.jpg
  • 50.jpg
  • 32A.jpg
  • 27A.jpg
  • 24A.jpg
  • 37A.jpg
  • 4A.jpg
  • 7A.jpg
  • 33A.jpg
  • 28A.jpg
  • 12A.jpg
  • 36A.jpg
  • 3A.jpg

Arraial do Monte

Manda a tradição que esta noite "todos os caminhos vão dar ao Monte". A freguesia enche-se de milhares de pessoas oriundos de vários cantos da Ilha, turistas e também muitos emigrantes madeirenses que aproveitam esta altura de arraiais para umas férias na Madeira.

São João da Ribeira

O sítio de São João da Ribeira, no Funchal, já se prepara para as festividades em honra do Santo Padroeiro. As novenas começaram no início da semana.

Mercado dos Lavradores

O Mercado dos Lavradores é um dos marcos turísticos do Funchal. O edifício histórico é testemunho da arquitetura do Estado Novo. Foi construído na década de 30 numa combinação que oscila entre a “Art Déco” (movimento popular internacional de design) e o Modernismo. A inauguração do projecto, da autoria de Edmundo Tavares, aconteceu a 24 de Novembro de 1940.

Inicialmente, o espaço com quase 10 000 m2 estava preparado para abastecer cerca de 25 000 habitantes. Actualmente, estima-se que cerca de 40 mil pessoas passem pelo Mercado para fazer compras.

Em vários pontos do Mercado, o visitante é confrontado com painéis de azulejos, de Faiança, produzidos na Fábrica da Loiça de Sacavém e pintados com temas regionais, por João Rodrigues.

O Mercado dos Lavradores está organizado em “praças”, “ruas” e “largos” onde se podem encontrar artigos típicos da Região.

À entrada as vendedoras, vestidas a rigor com o traje regional, preparam os arranjos de flores procurados por turistas e residentes. Um pouco mais à frente e no primeiro piso estão os produtos agrícolas, como a “vaginha” (feijão verde), a semilha (batata), a couve repolho, os espigos, a batata-doce e frutos da época (laranja, tangerina, pêros, maçãs), entre outros.

No piso inferior encontra-se a praça do peixe. Local que desperta a atenção do visitante pelo ruído e azáfama que os homens do mar imprimem ao espaço. Por vezes, o movimento é intenso e cada um tenta “puxar a brasa à sardinha” para vender o peixe-espada, a sardinha, a “cavala”, o atum, o chicharro, etc.

Os turistas que por aqui passam não deixam de registar o momento nas objectivas levando, assim, o nome da Madeira além fronteiras.

O Mercado dos Lavradores enfrenta, contudo, um forte problema. A concorrência das grandes superfícies comerciais, que oferecem facilidades de estacionamento, impede que os negócios no mercado tenham o sucesso de outros tempos. Mesmo assim, existem épocas do ano onde a afluência ao Mercado é mais significativa. Por exemplo, no Natal o ex-líbris do Funchal fica “apinhado” de gente para a tradicional Noite do Mercado. 

Venda ambulante

É uma imagem que se repete em várias ruas do Funchal sobretudo entre os meses de Junho a Outubro.

É neste período que os vendedores ambulantes aproveitam para escoar a fruta da época. A licença camarária é atribuída anualmente e só é permitida a venda de produtos regionais. As bancas têm de estar devidamente limpas e os vendedores com um traje específico.

Uma atividade apreciada por turistas e residentes que aproveitam para saborear os produtos típicos da Madeira.

Funchal

O concelho do Funchal teve a sua origem por ocasião do povoamento da Madeira, em 1425. Tudo indica que os primeiros povoadores se fixaram na conhecida zona velha da cidade, onde actualmente se localiza o bairro de Santa Maria.

Rapidamente o Funchal properou e em 1425, D. Afonso V, elevou-o à categoria de vila e sede de concelho. O Porto do Funchal passou então a ser um local de passagem de navegadores portugueses, italianos e flamengos. Os comerciantes que aqui aportavam traziam novos hábitos e culturas, tornando deste modo o Funchal num importante entreposto comercial localizado em pleno Oceano Atlântico.

A 21 de Agosto de 1508 D. Manuel I, em Carta Régia, eleva a vila do Funchal à categoria de cidade.

Mais tarde, já no século XVIII a cidade espande-se pela encosta até ao Monte. Ao longo do século XIX a Madeira tornou-se ponto de passagem de várias personalidades ilustres que procuraram na Ilha a cura para doenças de natureza respiratória. Actualmente, o Funchal é considerado um dos melhores destinos turísticos do mundo.

Localização

O Funchal é delimitado pelos concelhos de Câmara de Lobos, Santa Cruz, Santana e Machico. As ilhas Selvagens fazem parte do município do Funchal, embora localizadas a cerca de 163 milhas da Madeira.

População: 112 015 habitantes (Censos 2011)

Área: 76 km2

Artesanato: bordados da Madeira, artefactos em vime, sapateiro, chapéus de palha, instrumentos musicais, bota de vilão e tapeçaria.

Atividades económicas: comércio, turismo, restauração, oficinas de mecânica, agricultura, hotelaria, serviços, indústria, construção civil.

Gastronomia: espetada regional e filete de espada preto, espetadas em pau de loureiro, bolo do caco, milho frito, bife de atum, carne de vinho e alhos, atum cozido, cozido à portuguesa, sopa de peixe, bolo de mel, bife, queijada madeirense.

Oragos: Imaculado Coração de Maria, Nossa Senhora do Monte, S.Gonçalo, S.Martinho, S.Pedro, S.Roque, Santa Luzia, S.Tiago Menor, Santo António, Nossa Senhora da Assunção.

Feriado Municipal: 21 de Agosto

Festa das Vindimas

A cultura da vinha faz parte da história da Madeira desde o povoamento da Ilha. Foi fonte de sobrevivência para muitas famílias e atualmente continua a ter um peso considerável para a economia regional.

A importância socioeconómica desta produção é recordada anualmente por altura das vindimas, no início de setembro.

As iniciativas desenrolam-se em três frentes: Funchal, Estreito de Câmara de Lobos e Porto da Cruz. O objetivo é o mesmo: relembrar velhos hábitos da população.

Eventos que, aos poucos, têm sido transformados em cartaz turístico da Região Autónoma.

» Funchal

A animação estende-se ao longo da Placa Central da Avenida Arriaga, desde o Teatro Municipal Baltazar Dias até à Sé do Funchal.

São organizados diversos espetáculos de música tradicional, onde se inclui a atuação de vários grupos folclóricos. Paralelamente decorrem exposições etnográficas e quadros vivos, alusivos à vindima, muitas vezes com a presença de produtores regionais de vinho de mesa e Vinho Madeira. A gastronomia regional também marca presença no evento para delícia de turistas e residentes.

» Estreito de Câmara de Lobos

A vindima ao vivo é o aspeto mais marcante da Festa no Estreito de Câmara de Lobos. Os turistas participam ativamente nas várias etapas do evento, a começar pela apanha da uva, logo pela manhã. Seguem-se o cortejo etnográfico e a pisa da uva em lagar típico junto ao Mercado Municipal. É este o momento mais aguardado por turistas, oriundos de vários países, que de máquina de filmar em punho registam uma das tradições seculares da Madeira. Muitos arriscam mesmo a entrar no lagar e “contribuir” para uma boa pisa.

Um cenário que se completa com todo o ritual do arraial típico madeirense com destaque para a presença de folclore e gastronomia regional.

» Porto da Cruz

A Festa da Uva e do Agricultor realiza-se, todos os anos, no início de setembro, no Porto da Cruz. A uva americana é produção mais emblemática da freguesia do concelho de Machico. No entanto, está condenada, há vários anos pela União Europeia, em termos de produção de Vinho Madeira. Ainda assim, continua a ser apreciada por muitos visitantes, garantindo algum rendimento para os produtores do Porto da Cruz.

A Festa da Uva pretende ser uma homenagem ao agricultor da freguesia. Aos poucos tem vindo a ganhar expressão juntando-se ao lote de arraiais madeirenses. Também aqui decorre o cortejo etnográfico, com a participação dos conhecidos “borracheiros” do Porto da Cruz. A música e os comes-e-bebes fazem parte da Festa.

Page 1 of 2

Cantinho da Madeira

O Cantinho da Madeira é um projeto direcionado para a comunidade lusófona criado em julho de 2006. O portal, sem fins lucrativos, contempla uma rádio online com programas regulares produzidos por portugueses na diáspora.
Somos Marca Nacional com registo na Sociedade Portuguesa de Autores.

Nossos visitantes

6271766
HojeHoje1613
OntemOntem2675
Aviso! Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a navegação dos utilizadores. Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree