ÚLTIMAS RCM

  • Regime de economia comum
  • Dicas para poupar água
  • Em nome da lei - União de facto
  • SOS Consumidor - Poupe água
  • Entrevista - Marya Santos
  • Em nome da lei - Posso deserdar um filho?
  • Proteção de denunciantes de infrações
  • Tradições - Debulha do trigo
  • Vá de férias com a casa segura
  • Grupo Cultura Popular
  • Márcio Amaro nos palcos do mundo
  • Entrevista - Safira
  • Como reagir em caso de assédio
  • Em nome da lei - Assédio no trabalho
  • SOS Consumidor - Marcar férias online
Mercado dos Lavradores Mercado dos Lavradores Inaugurado em 1940

Mercado dos Lavradores

O Mercado dos Lavradores é um dos marcos turísticos do Funchal. O edifício histórico é testemunho da arquitetura do Estado Novo. Foi construído na década de 30 numa combinação que oscila entre a “Art Déco” (movimento popular internacional de design) e o Modernismo.

A inauguração do projecto, da autoria de Edmundo Tavares, aconteceu a 24 de Novembro de 1940. Inicialmente, o espaço com quase 10 000 m2 estava preparado para abastecer cerca de 25 000 habitantes.

Atualmente, estima-se que cerca de 40 mil pessoas passem pelo Mercado para fazer compras. Em vários pontos do Mercado, o visitante é confrontado com painéis de azulejos, de Faiança, produzidos na Fábrica da Loiça de Sacavém e pintados com temas regionais, por João Rodrigues.

O Mercado dos Lavradores está organizado em “praças”, “ruas” e “largos” onde se podem encontrar artigos típicos da Região. À entrada as vendedoras, vestidas a rigor com o traje regional, preparam os arranjos de flores procurados por turistas e residentes. Um pouco mais à frente e no primeiro piso estão os produtos agrícolas, como a “vaginha” (feijão verde), a semilha (batata), a couve repolho, os espigos, a batata-doce e frutos da época (laranja, tangerina, pêros, maçãs), entre outros.

No piso inferior encontra-se a praça do peixe. Local que desperta a atenção do visitante pelo ruído e azáfama que os homens do mar imprimem ao espaço. Por vezes, o movimento é intenso e cada um tenta “puxar a brasa à sardinha” para vender o peixe-espada, a sardinha, a “cavala”, o atum, o chicharro, etc. Os turistas que por aqui passam não deixam de registar o momento nas objectivas levando, assim, o nome da Madeira além fronteiras.

O Mercado dos Lavradores enfrenta, contudo, um forte problema. A concorrência das grandes superfícies comerciais, que oferecem facilidades de estacionamento, impede que os negócios no mercado tenham o sucesso de outros tempos. Mesmo assim, existem épocas do ano onde a afluência ao Mercado é mais significativa. Por exemplo, no Natal o ex-líbris do Funchal fica “apinhado” de gente para a tradicional Noite do Mercado.

Lido 15984 vezes Última alteração em domingo, 21 janeiro 2018 23:34

Media

Artigos relacionados

Visitantes

13591665
Hoje4391

O Cantinho da Madeira nasceu no ano 2006 com o objetivo de promover a Região Autónoma da Madeira, em especial junto da comunidade portuguesa no mundo.

Descarregue as nossas APP´s
para iOS e Android

Top
Aviso! Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a navegação dos utilizadores. More details…