ÚLTIMAS RCM

  • António Manuel Ribeiro, vocalista UHF, em entrevista à RCM
  • Márcio Amaro: Da Camacha para o mundo da música
  • Colares de "Maios" (vídeo)
  • Sylvia a cantar "Até ao infinito". Oiça a entrevista
  • Maria Leal entrevistada na Rádio Cantinho da Madeira
  • Roni de Melo: Do Brasil para Portugal
  • Nelo Ferreira: de Matosinhos para o Mundo.
  • Já validou as faturas no Portal das Finanças? Conheça os prazos.
  • Valter Duarte: "The Villain".
  • Vozes do Atlântico - Max. Recorde o vídeo.
  • Dias da Festa: Gastronomia na Venezuela
  • Dias da Festa: regresso dos "embarcados"
  • Dias da Festa: Dia da Imaculada Conceição
  • Dias da Festa: Sinais do Natal
  • DECO alerta para uso correto do cartão de crédito. Oiça as recomendações.
PUB
Natal Madeirense Natal na Madeira Arquivo Cantinho da Madeira

Natal Madeirense

O Natal é a tradição mais enraizada na cultura madeirense. O povo dedica o mês de dezembro à “festa”. Os preparativos iniciam-se logo no começo do mês e terminam em janeiro com o “Cantar dos Reis” ou, em alguns casos, com o “Varrer dos Armários”. Durante este período as ruas ficam iluminadas e o comércio ganha uma nova vida, com as montras engalanadas para receber os residentes e turistas para as “compras de Natal”.

A Lapinha

A “escadinha” e a “rochinha” são os tipos de presépio (também conhecidos por Lapinhas) mais comuns na Madeira.

Na “escadinha” o Menino Jesus aparece no cimo das escadas, numa espécie de altar.  Nos patamares inferiores encontram-se a verdura e alguns frutos e as “searas” de trigo que ajudam a ornamentar a “lapinha” juntamente com o “alegra-campo” (ramos de arbusto), azevinho e “cabrinhas” (fetos).

A “rochinha” é inspirada nas montanhas da Madeira. O Nascimento é representado por uma gruta. No “centro da devoção” são colocadas as figuras centrais do presépio: o Menino (descansa na Manjedoura) ladeado por José e Maria.

À volta existem lombos, vales, quedas de água e outros efeitos criados com papel pintado de cor escura para imitar a rocha madeirense. A construção deste tipo de presépio pode também implicar o uso de madeiras, tecidos, troncos de árvore e outros materiais, consoante a imaginação de cada um. Pelos caminhos ingremes chegam os pastores e os três Reis Magos.

A restante ornamentação é deixada à criatividade de cada família.

No mês de dezembro é comum ouvir-se a expressão: “Vamos visitar a Lapinha” e são muitos os presépios montados um pouco por toda a Ilha. Alguns, promovidos pelas Paróquias ou outras instituições, estão abertos ao público e recebem neste período centenas de visitantes.

O Espírito da Festa

São vários os motivos e eventos que abrilhantam o Natal Madeirense.

Do ponto de vista religioso destaque para as seculares “Missas do Parto” realizadas, regra geral, de madrugada nas diferentes paróquias da Madeira e Porto Santo. Começam a 15 ou 16 de dezembro e simbolizam os nove meses de gravidez da Virgem Maria.

Na véspera de Natal acontece a Missa do Galo. Assinala o nascimento do Menino Jesus. Em algumas localidades os fiéis chegam à Igreja em “romaria”.

Do ponto de vista profano a noite do Mercado é o ponto marcante da “Festa Madeirense”. Um acontecimento que se repete no Funchal, São Vicente e Estreito de Câmara de Lobos.

No entanto, a maior festividade surge nos arredores do Mercado dos Lavradores, no Funchal a 23 de dezembro. Dezenas de barracas para venda de brinquedos, fruta, legumes e comes-e-bebes são montadas no recinto.

A noite do Mercado ganhou dimensão de arraial com milhares de visitantes.

A tudo isto junta-se a animação nas ruas da baixa do Funchal e os parques de diversões que apresentam as atrações mais recentes.

O ano novo e o fim da festa

O espetáculo de fogo-de-artifício dá as boas vindas ao ano novo. É o maior cartaz turístico da Região Autónoma da Madeira. Na Pontinha e ao largo juntam-se vários navios de cruzeiro. Pelas ruas, na baixa e nas zonas altas, juntam-se milhares de pessoas que de máquinas de filmar e de fotografar em punho registam o momento para memória futura.

Já no ano novo, os madeirenses preparam-se para se despedir da “festa”.

De 5 para 6 de Janeiro é tempo de Cantar os Reis também conhecido pelo “Cantar das Janeiras”. Os forasteiros passam de porta em porta. Aproveitam para ver a lapinha e ainda saboreiam o que restou da festa.

Ainda assim, em alguns lares madeirenses a lapinha e o pinheiro são desmontados a 15 de Janeiro. É o dia de Santo Amaro, também conhecido, pelo povo, como o dia de “varrer os armários”. 

Lido 35719 vezes Última alteração em segunda-feira, 04 dezembro 2017 23:50
Cantinho da Madeira

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Mais nesta categoria: Festa da Imaculada Conceição »

Visitantes

18289309
Hoje1850

Associação Cultural e Recreativa Cantinho da Madeira
NIPC 517 099 950
Registo na ERC: 700067

Descarregue as nossas APP´s
para iOS e Android

Top
Aviso! Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a navegação dos utilizadores. More details…